Os 10 motivos para contratar um escoteiro, de acordo com a revista Forbes


Algumas características básicas na hora de selecionar novos membros para sua equipe ou analisar colaboradores para ocupar cargos de liderança são básicos como: saber trabalhar em equipe, saber organizar seu tempo de maneira eficiente e eficaz, saber planejar ações individuais e coletivas, saber escutar, saber o melhor momento para falar e como falar, conhecer e saber aplicar o conceito de ‘time’, ser criativo, tem empatia, ter liderança, ter um pensamento sustentável, saber gerenciar conflitos e por aí vai.


Existem hoje no mundo 40 milhões de pessoas que desenvolvem e/ou aprimoram essas características – muitas vezes a partir dos 6,5 anos de idade – com o método de aprendizagem prático, ou seja, passam, desde cedo, por experiências de liderança, superação, serviços manuais, uso da criatividade, respeito ao meio ambiente, voluntariado, desenvolvimento de projetos diversos, serviços em prol da comunidade, conhecimento de áreas diversas de acordo com o próprio interesse, etc. Esse grupo enorme de pessoas andam por aí e fazem parte de um movimento que já tem mais de 100 anos: São os Escoteiros. Isso mesmo! Um movimento educacional para jovens, feito por jovens com o auxílio de adultos. Só no Brasil são mais de 100 mil segundo informações da União dos Escoteiros do Brasil (UEB).









O sucesso do método escoteiro está mais do que verificado através dos seus 110 anos completos em 2017 e a revista Forbes, uma das mais prestigiadas revistas sobre negócios e economia, publicou em 2016 um artigo da diretora da associação Ashoka na Espanha e Portugal, Ana Sáenz de Miera, que explica por que é aconselhável contratar uma pessoa que tenha sido escoteira .


“Ler em um currículo que uma pessoa é ou tenha sido um escoteiro garante que ele possui habilidades fundamentais para o atual mercado de trabalho”, segundo a revista Forbes.


Aqui estão as 10 características que, de acordo com a Forbes, fazem de um escoteiro um agregador de valores para a empresa e a sociedade em que vive:


1. Ele sabe trabalhar em equipe

Pode chegar a ter 15 anos de experiência de trabalho em equipe, sempre com respeito pelos outros como valor transversal. Montar uma barraca ou organizar um acampamento de verão para 200 crianças voluntariamente. A aprendizagem no escotismo é, por natureza, cooperativa e por projetos.


2. É criativo

Levou muitos anos para encontrar soluções criativas para situações adversas. Teve de improvisar tetos durante tempestades repentinas, inventar um jogo de Vikings que motiva 100 crianças durante 15 dias, ou montar uma campanha de angariação de fundos para cobrir os custos de um campo de refugiados na Síria.


3. Respeita os seus valores e a sua palavra.

Está habituado a programar e realizar atividades baseadas nos valores escotistas que têm um enquadramento bem definido (algo como o “código de ética” a que nos referimos no mundo profissional). Isto gera a necessidade de acreditar nos projetos de que faz parte e alinhá-los com os seus interesses e paixões. A verdade, nobreza, justiça, solidariedade e respeito pela palavra dada são valores inabaláveis dentro deste quadro de ação.


4. Sabe liderar e